Um Pequeno Crescimento


14 Anos


O quarto estava escuro, muitas coisas estavam espalhadas pelo chão, a janela estava semi aberta, o que permitia que um ar fresco entrasse por ela e deixasse o cômodo um pouco mais fresco.

A cama estava vazia. Não tinha ninguém em cima do colchão, ninguém para apreciar como ele era macio e bem confortável.

Mas, bem pertinho dali tinha um colchonete.

Haviam dois garotos em cima dele, em cima daquele colchonete que estava forrado com um edredom mais claro e macio. Ao lado tinha papéis, diversos, não daria nem para contar quantos tinham ali. Um celular estava com a tela brilhante, o menino que tinha o cabelo mais claro estava recebendo uma ligação.

Todavia, ele não estava tocando, apenas vibrando em cima do chão e aquilo não parecia ser o suficiente para acordá-lo, ou até mesmo acordar o outro garoto moreno que também estava naquele quarto.

Quando a tela do telefone voltou a ficar escura, a única outra coisa que continuou brilhante dentro daquele quarto foi o fio vermelho que ligava os dois garotos.

Jeon Jeongguk de 14 anos, era alma gêmea de Kim Taehyung de também 14 anos, porém alguns meses mais velho.

As duas pernas do rapaz mais novo estavam circulando o peito do Kim, fazendo com que seus braços contornarem o pescoço do outro que também lhe abraçava como se fosse um bichinho de pelúcia. Estavam completamente embolados, dormindo confortavelmente daquele jeito, no meio daquela grande embolação sem fim.

O fio vermelho ficou mais brilhante quando Taehyung abriu os olhos por breves milésimos de segundo, enxergando o garoto de fios escuros como a noite grudado em si. O corpo dele era tão magrinho que dava vontade ao Kim de protegê-lo de qualquer coisa porque parecia bem real a possibilidade dele ser ferido por tudo existente de perigoso no mundo.

Jeongguk tinha chorado a tarde toda por conta de seu bichinho de estimação que havia morrido naquele dia, um pequeno peixinho dourado que seu pai havia comprado na feira semana passada.

Jeongguk era bastante emocionado.

E o garoto ficou tão arrasado que ligou aos prantos para Taehyung, soluçando sem parar enquanto dizia que havia perdido seu bichinho tão amado e agora seu coração estava doendo demais.

Sem hesitar, o Kim calçou os tênis recém lavados e limpinhos e correu para a casa daquele no qual era ligado, passando por todas as poças de lama que tinham sido formadas naquela manhã devido à chuva forte.

Bateu na porta, cumprimentando rapidamente a senhora Jeon. Subiu as escadas e rumou para o quarto escuro de Jeongguk.

Coriza escorria de seu nariz grandinho e seu corpinho, encostado na cama, não parava de tremer.

“Hyung” foi o que ele quase gritou com a voz embargada enquanto ia até o mais velho, o abraçando e contando a trágica história de como tinha ido alimentar “Steve”, seu bichinho, e gritou quando o viu boiando, já todo falecido.

Tirando os sapatos e colocando um casaco preto, os dois fizeram um enterro para o peixinho em frente ao vaso sanitário do banheiro. Voltaram para o quarto onde colocaram algumas flores do jardim da senhora Jeon dentro do aquário, assim como fizeram diversas cartinhas e mensagens que queriam que Steve pudesse ler. Pegaram o colchonete e o edredom, montando uma caminha simples para eles mesmos ali no chão, conversando baixinho enquanto iam sentindo o sono se aproximar cada vez mais.

Taehyung puxou Jeongguk para seus braços e ninou aquele a qual sua alma e coração pertenciam.

O fio vermelho que os ligava se embolou um pouco nos dois corpos, mas eles não se importaram, foram se aconchegando cada vez mais e mais um nos braços do outro.

Quando seus olhos se abriram, o de fios castanhos ficou apenas observando o rosto completamente sereno daquele que amava. Sorriu ao continuar admirando como suas bochechas grandes e boquinha pequena lhe faziam parecer mais jovem. O cabelo preto e macio cobria parte de sua testa branquinha, e para Taehyung, aquela imagem era a melhor coisa que poderia ter como recompensa depois de ter ajudado sua alma gêmea.



15 Anos


Após tomar seu banho depois de chegar da escola, Jeongguk apenas vestiu rapidamente a sua blusa de manga comprida e sua calça de moletom verde musgo. Colocou as duas meias do homem de ferro nos pés e correu de volta para a sala de casa.

Seu Hyung, sua alma gêmea e o menino que estava fazendo seu coração palpitar cada vez mais rápido estava sentado no sofá vinho da sala, com as pernas bonitas e cheias de melanina dobradas enquanto mexia em seu celular, totalmente despreocupado.

Jeongguk sentou-se ao lado do mais velho e viu ele lhe dar um sorriso retangular bonito.

Sua barriga sacudiu e demonstrou ter diversas borboletas lá, todas agitadas por conta de apenas um sorriso bonito que o Kim havia lhe dado.

O cabelo castanho estava pra cortar, mas aquilo não era realmente um problema, ele até mesmo ficava bonito bem daquela forma. Desajeitado, bagunçado e completamente atraente com seus olhos castanhos bonitos. Ah… Jeongguk o achava tão lindo, gostaria de apreciá-lo a cada segundo de seu dia.

A blusa de seu uniforme estava amarrotada, a calça estava da mesma forma, as meias pretas estavam até mesmo com um cheirinho de chulé, mas tudo que Jeongguk fez foi sorrir para aquela imagem, sorrir para sua alma gêmea um tanto quanto desajeitada, que de forma inesperada, lhe deu um beijinho na bochecha, usando a afirmação “você estava fofo demais todo vermelhinho” como uma desculpa plausível para tal ato.

Na realidade o moreno nem se importou, ele apenas corou mais e se levantou, perguntando o que o Kim queria comer.

“Bolo de chocolate” foi o que ele respondeu naquela tarde e Jeongguk caminhou até à cozinha para pegar o tal pedaço de bolo, orientando Taehyung a escolher logo um jogo que eles iriam jogar.

Depois de quase 3 horas jogando sem parar, o Kim teve que se despedir, calçando seu tênis quando já estava em frente à porta para voltar para casa. Jeongguk estava ao seu lado, segurando o celular do castanho já que tinha tirado fotos de si mesmo, apenas para deixar lá no aparelho dele.

Apoiou-se na parede vendo Taehyung apenas tentar ajeitar sua blusa toda bagunçada e passou a mão no próprio cabelo já bem compridos.

Deu dois passos em sua direção e pegou o celular, colocando-o no próprio bolso da calça, mas não se afastou do moreno, na verdade apenas se aproximou um pouco mais e beijou sua boca rosada.

Foi tão rápido quanto um piscar de olhos, mas foi o suficiente para que Jeongguk gritasse um “céus, Hyung” e cobrisse seu rosto completamente avermelhado.

Taehyung soltou sua famosa risada rouca e gostosa, vendo como coisas tão bobinhas sempre deixavam o mais novo com vergonha daquele mesmo jeito.

Jeongguk voltou a encará-lo, batendo levemente em seu ombro antes de também lhe dar um beijinho na bochecha, correndo em direção a seu próprio quarto logo em seguida.

Não estava acostumado com demonstrações de afeto como aquela. Sempre foram apenas abraços e carinhos trocados entre os dois, partir para beijos era um pouco assustador para o moreno, mas ele nunca havia se sentido pressionado.

Na realidade, eram muitas vezes surpreendido por Taehyung quando o mesmo lhe dava um beijinho suave aqui ou lá, mas nunca mais do que aquilo, Jeongguk sabia que o Kim o respeitava bastante.

De toda forma, horas depois, já estando debaixo dos lençóis da própria cama, Jeongguk ousou mandar uma mensagem para sua alma gêmea de fios castanhos, perguntando o que ele tanto queria saber.


[Você]

Hyung… Eu queria te perguntar uma coisa…

Você realmente quer avançar no que temos?

Você já quer me beijar?


Mordeu os lábios, nervoso.

O seu plano era bem simples, mandar a mensagem, bloquear o celular e dormir, não queria se desesperar de ansiedade enquanto esperava a mensagem do outro chegar, iria dormir tranquilo e ver a resposta depois.

Mas Jeongguk se esqueceu de um pequeno detalhe.

Taehyung tinha posto seu celular para ter um toque próprio para quando as mensagens ou ligações fossem de Jeongguk, tornando possível ele saber que era o moreno e o responder na mesma hora. O Kim sempre lhe respondia na hora, e naquele momento não foi diferente.

Antes mesmo de sair da janela de Taehyung, a resposta veio.


[Minha outra alma]

Sim.

Eu quero avançar, mas quando você quiser.

Eu quero muito beijar você, mas quando você também quiser.

Eu amo você meu Guk <3




16 anos


Por conta do grande barulho que estava na escola naquele dia, foi no telhado daquele mesmo local que Taehyung foi se esconder para poder fazer uma vídeo chamada com Jeongguk. Seu coração estava partido por conta do garoto que se encontrava resfriado em casa, impossibilitado de ir às aulas.

Já estavam no terceiro dia e toda a rotina do Kim havia mudado, ele nem mesmo jogava mais videogame, bola com seus amigos ou dormia na própria casa. Taehyung ia para a escola todos os dias, ele prestava atenção nas aulas e anotava tudo o que os professores escreviam no quadro ou falavam. Jeongguk sempre tinha aquela mania de anotar até o que eles diziam, então o Kim estava fazendo o mesmo que ele.

Quando era liberado das aulas, corria para sua própria casa, tomava banho, arrumava sua mochila, separava uma roupa e ia direto para a casa de seu adorável Jeongguk, em repouso.

Taehyung colocava um colchonete no chão do quarto do garoto e ficava conversando com ele, não o deixando sozinho em momento algum durante aquele terrível resfriado.

Passava a tarde passando tudo a limpo para o caderno de Jeongguk, enquanto lia um pouco da matéria e contava o que aprendeu. Não queria deixar o outro perdido.

Taehyung explicava a matéria, dava comida na boca de Jeongguk, o ajudava a ir ao banheiro quando uma crise de tosse o atingia e sentava em seu colchão para lhe fazer carinho até ele pegar no sono.

O Kim não conseguia sentir a pele do rapaz mais novo quente por conta da febre que ele começava a chorar e se desesperar. Era seu Jeongguk ali, o seu menino lindo com sorriso tímido deitado na cama doente.

Jeongguk atendeu sua chamada de vídeo.

“Oi Hyung, tudo-”

Tossiu.

“Tudo bem?”

“Oi meu amor, você está melhor?”

Esticou o braço, querendo achar um ângulo melhor para filmar a si mesmo. Taehyung estava quase fugindo da escola e correndo para a casa do moreno apenas para abraçá-lo e enfiar seu rosto no pescoço dele, beijando-o várias e várias vezes e admirando toda a fofura de sua alma gêmea vestida com moletom vermelho de capuz.

“Eu estou sim, acabei de tomar banho”.

“Hmm, está cheirosinho pro seu Hyung?”

Jeongguk corou, cobrindo seu rosto com uma das mãos, escondendo as bochechas avermelhadas.

“Hyung, para, você é tão bobo…”

“Não sou não… Estou apenas com saudade Guk”

“Me viu há poucas horas Hyung! Sei que beijou minha bochecha antes de ir pra escola”.

“Em minha defesa elas que pediram um beijo meu”

“Pediram nada! Aigoo, Hyung, você é muito bobo…”

“Amor, quando eu chegar aí eu já posso beijar você?”

Formou um bico nos lábios.

“Só se me trouxer um pedaço de bolo Red Velvet, eu juro que deixo você me dar um beijinho”.

“Ain, mas eu não devia mimar tanto assim você, mas eu gosto muito, ain, não faz essa carinha, Jeongguk! Aish! Maldição, Jeongguk! Você vai fazer meu coração explodir assim!”

Sorriu apaixonado apenas por ouvir a risadinha do mais novo pelo outro lado da tela, ele parecia completamente encolhido em sua cama. Fofo demais.

Formou um beicinho ao ouvir o sinal tocar.

“Tenho que ir agora,não posso ficar muito tempo senão vou descobrir onde estou, mas eu amo você, Guk, muito, muito”

O mais novo bocejou.

“Eu também amo muito você, Hyung, quando chegar durma comigo”.

“Durmo sim meu amor”

“Eu te amo, Tae”.

Soltou de forma completamente manhosa.

“Eu também te amo muito meu bebê”.


[...]


Assim que chegou a casa dos Jeon segurando sua mochila e a sacola com o bolo Red Velvet, a senhora Jeon informou que o filho estava dormindo naquele momento após tomar um remédio. Taehyung colocou o bolo na geladeira e foi para o quarto do garoto, abrindo a porta calmamente e vendo a figura adormecida de sua alma gêmea.

Sorriu vendo o biquinho fofo que ele fazia quando adormecido, a expressão serena e um pouquinho da baba escorrer pela lateral de sua boquinha pequena que já podia dar alguns beijinhos.