Memórias Omitidas C.3


Oiiiiii, tudo bem com vocês? Espero que sim!!

Trago aqui mais um capítulo para vocês... Espero que gostem <33333


Por favoooor, não se esqueçam de comentar e votar, isso sempre incentiva demais e eu amo muito ler todas as teorias de vocês <333



XXXXXXXXXXXXXXXXX




Jeongguk estava com muita vergonha.

Estava sendo colocado na banheira por Taehyung que o segurava de forma bem firme. Jeongguk estava somente com uma cueca preta, sem mais nenhum tipo de pano cobrindo seu corpo.

O Kim deixou uma toalha dobrada em cima de um pequeno banquinho ao lado do banheiro, junto com um sabonete líquido que ele poderia usar.

Foi complicado conversar com os próprios pais — que entraram no quarto já levando a cadeira de rodas do filho, o ajudando a se sentar nela — e explicar que tinha mudado completamente de ideia… Que estava “bem” com o fato de que iria ficar com Taehyung na casa, que não precisava mais que seus pais ficassem mais tempo na Coreia sendo que ele poderia cuidar de si mesmo ao lidar com a situação que ele próprio causou para si mesmo.

Seus pais fizeram perguntas, acharam estranho, ficaram preocupados com essa decisão tão repentina… Mas a respeitaram, disseram que iria ficar em um hotel da Coreia por mais uma noite ao menos e no dia seguinte passariam ali para checar se estava tudo bem mesmo, para checar se ele não havia se arrependido.

Afinal, eles sabiam que Jeongguk não havia se esquecido deles, havia se esquecido de sua nova vida em que seus pais não estavam totalmente incluídos… Ele havia esquecido de sua nova rotina, de seu marido, seus amigos, tudo o que fazia porque amava… E por conta disso, o que mais poderia fazer Jeongguk recuperar sua memória era viver como vivia antes, assim como o próprio médico havia recomendado.

Depois, Jeongguk seguiu somente ouvindo Taehyung falando com todos do lado de fora, ouvia diversos resmungos de reprovação, lamentações por terem ido até ali e Jeongguk se arrepiou no mesmo segundo quando ouviu a voz grossa do Kim falando “ele está muito desconfortável, isso está demais pra ele aguentar assim, ele precisa de tempo mesmo que eu saiba que vocês fizeram tudo isso com muito carinho”.

E Jeongguk apreciou demais aquilo.

Ficou ali, sozinho no próprio quarto enquanto observava as muitas fotos e tralhas espalhadas, as roupas, bolsas, sapatos… Moveu a própria cadeira, indo até uma das cômodas para observar algumas das fotos que estavam expostas ali, pegou dois porta retratos, um era uma foto sua junto com a mulher que estava em seu quarto quando acordou, os dois estavam vestidos de vampiro, parecendo estar em um festa.

O segundo porta-retrato mostrava sua imagem ao lado de Taehyung, os dois deitados na grama, uma foto tirada na frontal. Jeongguk fazia um bico de brincadeira para a câmera e Taehyung lhe olhava sorrindo, os olhos exalavam tantos sentimentos que Jeongguk ficou enjoado, havia muita coisa ali e ele não se lembrava, e tudo o que sentia com relação aquilo atualmente era sufocamento, muita pressão.

Pegou uma pequena pilha de fotos soltas ali que ainda não haviam sido guardadas, quase todas eram suas com Taehyung, ou o Kim cozinhando, ou Jeongguk tirando foto dos dois, ou algum lugar em que estavam passeando, uma rua, um gramado, uma loja, um elevador, muitas memórias fotográficas de momentos entre os dois… Os dois sujos de chocolate, em festas aleatórias, uma foto da festa de vinte e seis anos de Taehyung, uma de Jeongguk ao estar com um pedaço de bolo na mão, uma sua virando uma garrafa de vodka ao lado de dois rapazes e a mesma garota ao fundo, as mãos ao redor da boca enquanto gritava, mais fotos de Taehyung, dormindo, despertando, sorrindo, varrendo, mexendo no computador…

Era muitas coisas.

— Você amava tirar fotos — Taehyung comentou do nada, assustando Jeongguk no mesmo segundo que deu um pulinho assustado, quase derrubando todas aquelas fotografias.

Olhou para trás, vendo o rapaz que dizia ser seu marido apoiado no batente da porta, mostrando um sorriso bonito e nostálgico.

— Eu percebi — falou baixinho, devolvendo as fotos para o mesmo lugar.

Taehyung caminhou até o guarda roupa pegando duas caixas lá, as duas grandes.

— Aqui — as levou até a cama, colocando as duas caixas ali, uma ao lado da outra e só as abriu quando Jeongguk se aproximou devagarinho — essas são suas câmeras — abriu e mostrou os diversos aparelhos que haviam lá. — e esses são seus álbuns — mostrou os diversos que haviam ali dentro, quase todos personalizados e com escrituras em letras bonitas, e ainda assim também havia diversos pacotes com fotos que ainda não tinha sido guardadas, muitas pilhas.

— Meu Deus…

Taehyung soltou uma risada gostosa e sentou na cama.

— Você gostava de registrar tudo, você via algo, achava bonito e tirava foto…

Jeongguk engoliu em seco.

— A maioria das fotos que vi são suas ou nossas — informou baixinho e viu o exato momento em que Taehyung corou, parecendo bem envergonhado com o que tinha ouvido.

— Bom — coçou um pouco a nuca — você também dizia que as coisas mais bonitas que via era a gente, ou eu fazendo qualquer coisa…

Jeongguk também corou, olhando novamente para os diversos álbuns.

— Entendi — comentou baixinho, um pouco sem graça por conta daquilo e o silêncio acabou reinando entre eles.

Isso é claro, até o momento em que Taehyung o quebrou.

— Você já quer tomar banho?

E era naquele banheiro que Jeongguk estava no momento.

Com sua bunda coberta pela cueca grudada no fundo da banheira, a água cobrindo a maior parte do seu corpo, o silêncio dentro daquele cômodo mais reservado… Era bom, o banheiro cheirava bem, tinha um espaço bom, parecia bem organizado, bem bonito cercado de cores mas pastéis.

Respirou fundo, tentando se lembrar de algum outro momento de sua vida em que tivesse estado naquele banheiro, em que tivesse escovado os dentes em frente ao espelho daquela pia, em que tivesse penteado seu cabelo, urinado… Qualquer coisa.

Mas nada vinha à sua mente.

Aquele era somente mais um cômodo no qual sentia que nunca havia estado, o banheiro da casa de um amigo que nunca havia visitado antes.

Afundou-se um pouco mais naquela banheira, sentindo dor, sentindo-se mal, mas ficou imóvel, derramando finas lágrimas por estar se sentindo sufocado, preso em uma realidade que não era sua.

[...]

Jeongguk ajeitou-se um pouquinho mais no sofá da sala, vendo a televisão bonita ali, ligada só esperando que o garoto desse a ela um comando de onde acessar.

Taehyung estava ao telefone, ligando para o restaurante de frango frito enquanto passava o tamanho das porções e tudo mais. Depois que Jeongguk terminou o próprio banho, descobriu que enquanto estava lá Taehyung havia saído rapidamente para comprar as tais cervejas ruins que o Jeon gostava e mais algumas latas da bebida alcóolica aprovada pelo Kim.

Jeongguk estava com um conjunto de moletom azul bebê, bem confortável que não se lembrava que tinha comprado, mas viu em fotos que já tinha usado várias vezes, inclusive, era um dos seus preferidos segundo as palavras de Taehyung.

— Tudo bem, obrigado — Taehyung comentou rouco e desligou o telefone, caminhando em direção aonde Jeongguk estava, sentando-se no sofá próximo dele — eles devem chegar aqui em no máximo trinta minutos, mas costumam chegar um pouquinho antes — informou rouco, olhando para o garoto acuado no sofá, as bochechas um pouco rubras e o corpo encolhido.

Taehyung queria tanto abraçá-lo.

— Eu vou terminar de arrumar as coisas lá na cozinha e depois vou tomar banho, — ficou de pé, ainda o olhando — caso a comida chegue e eu esteja no banho ainda, vou deixar o dinheiro em cima da mesa, tudo bem? Está certinho e eu deixei avisado que era pra trazer o molho picante que você gosta.

Jeongguk o encarou de volta, balançando a cabeça positivamente.

— Tudo bem, obrigado — mostrou um pequeno sorriso e então viu o Kim sair, rumando em direção a cozinha, guardando um pequeno bolo que tinham feito, guardando uma travessa pequena de alguma comida que Jeongguk não havia descoberto qual era…

Ele foi arrumando as coisas, pegando o pacote de cartas que Jeongguk tinha ganho e colocou em cima da cama do quarto, recolheu alguns copos sujos, começando a lavá-los junto com outros objetos que também deveriam precisar ser lavados.

E Jeongguk continuou ali.

— Vou tomar banho agora, — Taehyung falou baixinho, rumando em direção ao próprio quarto, pegando uma toalha de banho que parecia ser nova e então rumando ao banheiro.

Taehyung tomou banho, e o som do chuveiro caindo no porcelanato da banheira foi o único som sendo feito naquela casa já que Jeongguk continuou embargado no próprio silêncio, pensando em diversas coisas.

Os minutos iam passando e Jeongguk sentia seu coração sendo cada segundo mais esmagado. Estava sozinho, sozinho em uma casa estranha, com um homem estranho, sem seus pais, sem memória… Queria poder estar em seu antigo quarto, queria poder estar deitado em sua cama, planejando retomar a vida que tinha antes… Sabendo um ponto de partida…

Mas não era possível.

Nada daquilo seria possível novamente.

Nem percebeu quando Taehyung saiu do banheiro, já tendo terminado seu banho, enrolado em uma toalha apenas, uma toalha azul escura que cobria de sua cintura pra baixo, mostrando seu peitoral, as costas, as brilhantes gotículas de água grudadas em seu corpo amorenado.

Jeongguk o ficou encarando, vendo-o ir em direção ao qualquer de forma séria.

E então, antes que o Kim realmente entrasse no quarto, a campainha foi tocada e logo o homem se colocou a correr rapidinho em direção até onde o dinheiro que tinha deixado estava.

— Deixa que eu pago — respondeu rapidamente, — eu esqueci que você teria que ir pra cadeira e então ir lá atender, desculpa, — e foi até a porta, abrindo-a e se deparando com o entregador — oi, Minhyun — o cumprimentou educado, sorrindo como se conhecesse o entregador, sem vergonha ou timidez de estar somente de cueca — aqui, obrigado — abaixou um pouco a cabeça e então fechou a porta.

Virou-se para Jeongguk mostrando um sorriso bonito.

— Você conhecia o entregador? — Perguntou baixinho, vendo Taehyung levar a sacola com as embalagens da comida até a cozinha, a abrindo com calma.

— Ah, na verdade você que nos apresentou — contou mostrando bastante tranquilidade — você pedia muito frango desse lugar, aí acabava sempre puxando conversa com ele e tudo mais — deu os ombros, levando as embalagens até Jeongguk, junto com duas latinhas de cerveja, uma que deveria ser a boa e outra a ruim. — Aqui…

Entregou e se afastou.

— Bom, eu vou lá colocar uma roupa — Taehyung comentou com uma pequena risadinha e Jeongguk não conseguiu evitar de não olhar para o peitoral amorenado dele, cada curva que ele tinha no corpo.

Viu o homem ir caminhando até o próprio quarto, fechando a porta segundos depois.

Jeongguk concentrou-se nas tiras de frango à sua frente, pegando a primeira e sentindo o estômago roncar no mesmo segundo. Mordeu com vontade, e começou a mastigar, quase sorrindo durante aquele ato por estar comendo algo que gostava.

Era gostoso, entendia porque pedia daquele lugar, o frango era bem crocante e molhadinho.

Mergulhou um pouco no molho picante e deu mais uma mordida, ajeitando-se um pouquinho melhor no sofá, comeu mais uma tirinha, e outra e outra, bem mais confortável estando sozinho ali, sem ninguém em cima de si, sem falatório, sem pressão, somente ele e as tirinhas crocantes de frango.

Mergulhou mais um pedaço no molho picante, mastigando sorrindo antes de pegar uma das latinhas de cerveja, a abrindo suavemente. Taehyung nem tinha dito qual das duas cervejas era a ruim, mas ainda assim Jeongguk se arriscou dando um gole na primeira, gostando do sabor.

Tomou outro gole e comeu mais um pedaço da tirinha.

Os poucos minutos foram passando e quando Jeongguk percebeu, estava abrindo a latinha da outra cerveja, tomando um gole dela depois de engolir mais um pedaço do frango crocante.

Também a achou boa.

Franziu o cenho e olhou as duas marcas.

Pareciam iguais, pareciam boas… Mas não sabia dizer se a que Taehyung denominava ser ruim realmente era uma delas. O sabor de ambas era bem agradável ao seu paladar.

Tomou mais um gole e então pegou outra tirinha, mastigando no exato momento em que o Kim abriu a porta do quarto, esfregando a toalha no cabelo escuro molhado, com alguns cachinhos bonitos.

Estava usando um short folgadinho e um pouco curto e uma blusa de manga bem comprida e escura.

As pernas amorenadas estavam de fora, mostrando como eram longas.

— Vai comer tudo sem mim? — O rapaz brincou fazendo com que um sorriso se formasse no rosto de Jeongguk e suas bochechas ficassem um pouco rubras.

— Ah, desculpa — comentou mais baixinho, vendo-o colocar a toalha em cima das costas de uma cadeira e então se sentar ao seu lado no sofá, vendo que o garoto com menos idade do que si já tinha bebido as duas cervejas.

— Hmmm — pegou a latinha que havia bebido primeiro — e então? Gostou? — Cruzou as pernas ao perguntar, ficando de frente para Jeongguk, pegando uma das tirinhas, começando a mastigar de boca aberta, fazendo sons.

Jeongguk não gostou muito daquilo, sentia nervoso.

— Gostei das duas — comentou baixinho e viu o Kim arregalar um pouquinho seus olhos bonitos.

— Sério?

Jeongguk só balançou a cabeça positivamente.

— Qual é a que você odeia? — Perguntou vendo o Kim dar outra mordida generosa no frango.

— Essa aí que você está bebendo — apontou com um sorriso, falando de boca cheia. Se levantou segundos depois — vou pegar mais da cerveja boa então — comentou sorridente, indo até a geladeira da cozinha para pegar mais duas latinhas de cerveja — você gostou mais de qual?

Jeongguk corou de vergonha, rindo de si mesmo por conta da resposta que ia dar.

— Dessa aqui — levantou um pouquinho a latinha que estava bebendo naquele momento e Taehyung sorriu abertamente quando voltou a se sentar no sofá a sua frente, cruzando as pernas novamente, o short subindo um pouco na coxa dele, mostrando mais de seu corpo, e até a tatuagem de um dedo médio que ele tinha ali, Jeongguk desviou o olhar no mesmo segundo, com medo de ser pego olhando.

— Affz — o Kim revirou os olhos, como se tivesse sido derrotado em um jogo — pelo visto seu paladar não mudou nada… — Pegou mais um pedaço de frango, mordendo com vontade e Jeongguk observou novamente como Taehyung mastigava de boca